Notícias

Howard Schultz, o CEO zen do Starbucks.




Executivo reassumiu o comando da empresa em 2008; de lá para cá Starbucks cresceu e engordou os lucros, sem esquecer do "amor e da humanidade".

Quando ingressou no Starbucks em 1984, Howard Schultz passou a integrar o time de marketing de uma empresa com apenas quatro lojas. No meio do caminho, terminou comprando o controle da empresa. Hoje, está à frente da uma rede com mais de 17.000 unidades, em 61 países do mundo. Em palestra gravada para a HSM Expomanagemente e apresentada nesta terça, em São Paulo, o executivo explicou por que a preocupação com as pessoas e os funcionários é a prioridade número 1 da companhia. Explorando conceitos como o amor e a importância das relações pessoais, ele falou sobre sua trajetória e estilo de gestão. Confira os principais trechos da conversa:

Amor e humanidade:
Quando convidado para um palestra em Harvard há pouco tempo, Howard elegeu os tópicos amor e humanidade como seus pontos de partida. "A palavra amor é a coisa mais importante da vida. Não seria diferente no meio empresarial. O sucesso pode brigar com você. Se você não tiver amor pelo que faz, a coisa vai desequilibrar", reforçou em vídeo aos brasileiros. Ele também afirmou que as conquistas têm um sabor diferente quando podem ser compartilhadas com os colaboradores. "O mundo precisa de humanidade. Você não pode construir um produto sem ter uma noção profunda que irá servir aos outros e não a você mesmo", completou.

Honestidade com o time:
Howard reassumiu a presidência do Starbucks em janeiro de 2008. Dono da rede, o executivo ficara afastado da cadeira de CEO por oito anos. De volta ao posto, encarou um horizonte turvo. "Antes estávamos em uma situação maravilhosa, parecia que tudo que a empresa tocava virava ouro. Passamos a nos sentir invencíveis", disse.

Segundo Schultz, várias decisões erradas foram tomadas com o excesso de confiança. "Precisávamos transformar nossa maneira de agir. Quando assumi, tive a ideia de fazer uma reunião enorme, com a participação de 10.000 gerentes. Foi naquele encontro que realinhamos a responsabilidade e direcionamento da rede", afirmou. Na época, a investida recebeu uma saraivada de críticas: 30 milhões de dólares foram consumidos na organização do evento, em uma época em que o Starbucks não andava exatamente bem das pernas. Mas acreditando que uma conversa franca com os funcionários seria capaz de colocar a empresa de volta ao jogo, Schultz foi em frente.

"Meus colegas estavam preocupados com o que eu ia dizer no último dia do evento porque eu poderia amedrontar as pessoas por conta do desespero da situação", afirmou. "Mas em uma crise você tem que tomar decisões sem informações precisas ou perfeitas, sendo 100% honesto com os empregados."

Pulseira para reativar economia:
O CEO do Starbucks pontuou que a liderança tem a ver com a inovação pensada não apenas para o consumidor final, mas para a comunidade. No ano passado, a empresa capitaneou uma iniciativa para turbinar a oferta de crédito em um momento em que a economia americana patinava. Intitulado Create Jobs for USA (Crie empregos para os EUA), o programa oferecia aos clientes uma pulseirinha com a inscrição "Indivisible" (indivisível), no valor de 5 dólares. Os recursos arrecadados foram usados na oferta de microempréstimos por meio de uma parceria com o Opportunity Finance Network, espécie de banco voltado para pequenos empreendedores nos Estados Unidos. Segundo Schultz, o Starbucks conseguiu arrecadar sozinho 15 milhões de dólares, "dinheiro que teve fator multiplicador de sete vezes", já que a atenção despertada para o tema teria ajudado o Opportunity a emprestar outros 85 milhões.

Resultados e preocupação com os funcionários:
De julho a setembro, a receita da companhia cresceu 11% em relação ao ano anterior, chegando a 3,4 bilhões de dólares, resultado recorde para o Starbucks. O lucro no mesmo período foi 16% maior, chegando a 519,6 milhões de dólares.
Na apresentação, o Schultz reforçou que a preocupação da empresa com seus funcionários nunca deixou de estar desconectada dos resultados. Prova disso seria a criação de um programa de opções de ações oferecido pela companhia antes mesmo da empresa abrir capital, em 1992. Para os funcionários, manter os papéis vem sendo um ótimo negócio. No acumulado do ano fiscal encerrado no último trimestre, as ações do Starbucks registram alta de 43%.

Experiência acima de tudo:
"Atendemos 70 milhões de clientes por semana. Esse é um número grande, mas o mais importante para o Starbucks é a experiência criada para os consumidores", disse Schultz. De acordo o executivo, apesar da tecnologia criar vários benefícios ela acabou privando as pessoas de contato humano. O Starbucks estaria posicionado para justamente preencher esse espaço. "O café é uma bebida social. O Starbucks une as pessoas. Por isso temos relevância local em qualquer lugar do mundo", acrescentou.

Diversificando o negócio:
No fim do ano passado, a rede gastou 30 milhões de dólares na compra da Evolution Fresh, empresa de sucos ultra premium que utiliza uma tecnologia capaz de recriar o sabor do suco fresco sem pasteurizá-lo. "Já temos o Evolution em garrafas prontas e abrimos três lojas da marca. Queremos criar um mercado multimilionário em torno do negócio", afirmou Schultz. Estima-se que o segmento de sucos premium movimente 1,6 bilhões de dólares por ano.

Sem desviar o foco do negócio principal - o café vendido nas lojas - o Starbucks também aposta em outras frentes. No último ano, as embalagens de café para preparo doméstico passaram a ser comercializados em uma série de canais de varejo, além das próprias unidades da empresa. "Não vamos deixar nenhuma pedra sem mexer. O ambiente é competitivo e a concorrência é feroz", resumiu.

Fonte:exame.abril.com.br

Últimas Notícias:
• Capacitação à distância.
• Quais são os primeiros passos para estruturar uma rede de franquias?
• 5 tendências de franquias promissoras.
• Restaurante paulistano NAKOMBI de comida japonesa lança franquias.



:: Voltar
av. senador casemiro da rocha, 609 cj 51 • saúde • cep 04047-001 • são paulo • sp
fone: +55.11.2276.0048 | 11.2577.1115 | 11.4562.1116 | (oi dub): 11.96656-0048